ECONOMIA A DOIS: PLANEJANDO O ANO

Atualizado: 27 de Mar de 2019



O tema dinheiro muitas vezes é um problema. Sobretudo na vida a dois ou na vida em família.

Eu já vi muita gente se desentender por causa dele. Infelizmente há casais que chegam à separação por problemas relacionados a bens materiais ou à má administração do dinheiro. Por isso decidi compartilhar um pouco do que fazemos por aqui e que nos ajuda.

Desde que namorávamos nós falávamos muito sobre o tema. Durante o noivado começamos a juntar dinheiro para o casamento e a controlar nossas entradas e saídas. Na época usávamos uma planilha de Excel já com fórmulas que o Ivo fez de acordo com nossas necessidades.

A opção que nós fizemos foi de juntar o meu e o dele depois do casamento. Fizemos uma conta conjunta, passamos a usar o mesmo cartão de crédito (cada um com o seu mas um dependente do outro) e o planejamento é conjunto. A conta conjunta não é extremamente necessária. O importante é que haja consenso de como usar o dinheiro e transparência em relação a isso. Nós não falamos em o meu e o seu. Aqui o que funciona é o NOSSO.

Quando o Ivo mudou de trabalho precisou ter uma conta pra ele mas essa conta é só pra receber o salário. Depois a gente junta tudo.

Mas o fato de ter tudo em um lugar só não é o que determina uma boa economia doméstica, não é mesmo?

Então farei vários posts com dicas práticas por que um só ficaria gigante. Com certeza vou pedir a ajuda dele para que fiquem ainda melhores já que ele é o especialista no tema aqui em casa.

A primeira dica é:

PLANEJAR O ANO E CONTROLAR TODAS AS ENTRADAS E SAÍDAS PARA NÃO ESTOURAR O ORÇAMENTO


PLANEJAMENTO ANUAL

Qualquer um sabe que a gente tem que gastar menos do que ganha se não começam os problemas. Então a primeira coisa a fazer é um planejamento de gastos, em dezembro do ano anterior ou janeiro. Pensar qual vai ser a entrada total no ano, incluindo férias e décimo terceiro. E calcular todos os gastos fixos mensais e anuais. A gente inclui tudo: gastos fixos, lazer, viagens, presentes, impostos, etc.

Depois fazemos um orçamento mensal. Ou seja, se determina quanto se pode gastar em cada coisa por mês e se a gente passar em uma partida tem que economizar em outra para não estourar o orçamento. Essa compensação pode ser feita no mesmo mês ou no seguinte. O importante é se manter no orçamento anual.

Por exemplo: se tenho planejado R$ 50 em gastos pessoais e R$ 100 em vestuário e gasto R$100 em salão de beleza eu diminuo para R$ 50 o que posso gastar em vestuário. Ou se compro R$ 200 de roupa depois no mês seguinte não compro nada dessa partida. Assim vamos equilibrando. O Ivo que é bom nesses cálculos. Eu prefiro ser mais simples e compensar no mesmo mês para não correr o risco de sair da linha.

O importante é sempre gastar menos do que se ganha. Quando digo menos é por que sempre é bom ter um dinheirinho guardado para emergências.

PROJETO ANUAL: PARCELAMENTO INVERSO

Para mim a melhor parte de planejar o ano são os projetos anuais. Cada ano a gente faz um projeto. Alguma coisa que a gente quer comprar e que implica uma maior quantidade de dinheiro. E a gente faz uma espécie de parcelamento ao contrário. Cada mês a gente guarda uma parcela em algum investimento para não perder para a inflação. E depois a gente vai lá e compra à vista com um bom desconto. Tem pelo menos 2 vantagens: o produto sai bem mais barato e não corremos o risco de comprar em 10 vezes e chegar na 5a parcela e ter um imprevisto que torne mais difícil terminar de pagar. Ano passado o projeto foi a cama baú. E nada melhor que dormir nela sem pensar que ainda tenho parcelas a pagar!


Foto: wixeditor

CONTAR COM A RESTITUIÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA

No ano passado nós “descobrimos” uma entrada de dinheiro não contabilizada: a restituição do imposto de renda - vale a pena sempre fazer a simulação mesmo sendo isento. Foi uma ótima surpresa por que o Ivo era isento MAS eu fiz a simulação da declaração dele e “ó surpresa!” ele tinha uma baita restituição. Muito maior que a minha. Juntando as duas isso rendeu a reformulação do nosso quarto. Não só a cama nova mas os criados-mudos, prateleira, colcha e escrivaninha! Esse ano a restituição já está incluída no nosso orçamento como um projeto. Não vejo a hora de fazer a declaração para saber quanto vai dar. E vou fazer na primeira leva por que quero a restituição o quanto antes :). Afinal, se tudo der certo, ela vai render um sofá que será a tão sonhada cama para minha família e amigos quando vierem me visitar. Chega de chão duro pessoal!

CONTABILIZAR O CARTÃO DE CRÉDITO COMO SE FOSSE À VISTA

Nós optamos por utilizar o cartão de crédito para tudo por que queríamos acumular milhas para passagens aéreas já que minha família é de outro estado. MAS, contabilizamos os gastos como se fosse do mês atual. Assim não temos uma dívida futura e sim um gasto presente. Isso exige organização por que, apesar do dinheiro estar na conta, ele já está comprometido com o pagamento do cartão. Mas vale a pena por que não corremos o risco de gastar mais do que ganhamos. O aplicativo que estamos usando atualmente já ajuda nesse controle. Ele contabiliza os gastos feitos no cartão de crédito no mês atual. Mas tudo o que nos dá desconto à vista nós pagamos à vista. 5% daqui e 10% dali podem render um bom dinheirinho no fim do ano.

CONTROLE MENSAL RIGOROSO DE ENTRADAS E SAÍDAS

Isso é muito importante. É necessário disciplina para anotar tudo o que a gente consome e para não sair do que foi planejado. Não adianta planejar se depois não colocar em prática.

Quando eu era solteira usava o app Minhas Economias . Você pode atualizar pela internet ou pelo celular. Eu adorava. Mas o Ivo não gostou. Então depois que nos casamos ficamos só na planilha de Excel.

Mas aí eu fiquei perdida por que não é algo “em tempo real” nem à mão. E com casa, bebê e trabalho eu não tinha tempo para ficar entrando toda hora na planilha. Tinha que perguntar pra ele.


Então esse ano ele pesquisou vários aplicativos e começamos a usar o GuiaBolso. Estou adorando. Ele sincroniza com nossas contas do banco. Então tudo que entra e sai é automático. Só temos que registrar manualmente o dinheiro que está na carteira. Se for débito ou crédito ele faz o trabalho por nós e ainda classifica na categoria. Ele tem categorias automáticas ou as que nós criamos. E claro que tem senha pra nos dar segurança.

Espero que essas dicas tenham ajudado. Por hoje vamos ficando por aqui. Aproveita que estamos em janeiro pra se planejar direitinho. Exige disciplina mas vale a pena poder dormir tranquilo sem dívida e ainda ter depois um dinheirinho guardado para fazer coisas legais. No nosso caso estamos terminando de organizar a casa mas pode ser um carro, uma viagem, uma reforma… ou até mesmo sanar alguma dívida para começar bem o próximo ano.

Baixar app GuiaBolso :



#Economiadoméstica

Categorias: